Você sabe como surgiram os bichinhos de pelúcia?

Quem não ama bichinhos de pelúcia? Como todos os vídeos do canal It’s a Girl, fizemos esse vídeo a pedido da Julia, que queria muito filmar os seus bichinhos de pelúcia. Cada um tem uma história de carinho, pois todos foram presentes nossos e de familiares. A Julia sempre perguntava insistentemente porque os brinquedos não falavam ou se movimentavam como ela. Nós explicamos que brinquedos não têm vida, mas que nós podíamos fazer de conta que eles se movimentavam de verdade e colocamos linhas de nylon para que ela pudesse interagir com os bichinhos “vivos”. Ela gostou tanto da brincadeira que pediu para fazer um vídeo para o YouTube, que você pode conferir abaixo.

 

Como surgiram os primeiros bichinhos de pelúcia

Appolonia Margarethe Steiff, nascida a 24 de Julho de 1847 em Giengen an der Brenz na Alemanha, reproduziu os primeiros animaizinhos que dariam origem aos bichinhos de pelúcia. Seu pai Friedrich, foi proprietário de uma loja de bricolage onde a mãe Maria Steiff trabalhava. Apesar de ter sido diagnosticada com poliomielite na infância, Margarete continuou a frequentar a escola, concluindo a sua formação como costureira. Mais tarde, as irmãs Paulinas e Marie abriram uma loja de costura e Margarete trabalhou por 8 anos com suas irmãs. Após suas irmãs saírem da cidade, Margarete continuou sozinha a trabalhar e gerir a loja.

Margarethe Steiff

Em 1879 Margarete Steiff encontra dentro de uma revista de moda um modelo para uma almofada de agulhas com a forma de um elefante. Ela então então reproduzir para algumas amigas estes elefantes, usando feltro. As almofadas para agulhas acabaram agradando aos filhos das suas amigas começam, que usaram como brinquedos. Quando Margarete percebeu que agradou mais às crianças com seus elefantinhos de feltro, resolveu reproduzí-los como brinquedos.

Réplica dos elefantes porta alfinetes

Na época, as bonecas de porcelana já existiam, mas por serem muito frágeis, eram usadas muito mais como enfeites do que para brincar. Ao contrário da bonecas de porcelana, os ursos de pelúcia eram macios e não quebravam, por isso fizeram um grande sucesso, causando uma verdadeira revolução nas brincadeiras infantis. Em 1902 Richard seu sobrinho elaborou a modelagem para criar o primeiro urso com pernas e cabeça móvel, dando-lhe o nome de Urso PB 55 (55 cm).  O Urso PB 55 foi fabricado em quantidade para serem comercializado. Uma curiosidade é que a fábrica usava como ursos tinham um botão pregado na orelha esquerda, como uma marca da empresa.

Margarethe Steiff costurando

Em 1903 Richard Steiff vai à Feira de Brinquedos em Leipzig (na Alemanha), levando as suas pelúcias e o seu Modelo PB 55, mas ninguém parece ter muito interesse. Quando a Feira de Brinquedos já estava se encerrando e Richard Steiff começa a arrumar as suas pelúcias, surge um comerciante dos Estados Unidos da América que viu o Modelo do PB55 e ficou tão interessado que encomendou prontamente 3000 modelos.

steiff bears originais

Teddy Bear

Os ursos de pelúcia se popularizaram nos Estados Unidos,  Diz a lenda que, em 1902, o presidente dos Estados Unidos, através de Morris Michton, um imigrante Russo fabricante de brinquedos, que aproveitou uma oportunidade para lançar o brinquedo.

O presidente dos Estados Unidos, Theodore Roosevelt estava em viagem e foi convidado para fazer uma caçada. Ao capturar um urso, Roosevelt se recusou a matá-lo e seu gesto de humanidade foi admirado e a notícia se espalhou por todo o país. Morris Michton, por sua vez, resolveu fabricar um urso de pelúcia e o chamou de Teddy Bear, que era um suposto apelido da filha do presidente. O brinquedo teve sucesso imediato, ganhando até menção em uma conhecida música infantil, “Teddy Bear

Os ursinhos de pelúcia passaram então a ser fabricados em grande escala, mas eram um pouco deferente dos que conhecemos atualmente, Durante a década de 1950 eram feitos de algodão flanelado com enchimento de serragem e alguns eram feitos com pele de carneiro.

Urso anteriormente propriedade de Kermit Roosevelt, feito por Michtom, no início de 1900; Museu Smithsonian de História Natural, 2012

O museu Die Welt von Steiff

Atualmente há um museu chamado “Die Welt von Steiff” (“O mundo de Steiff”), localizado em Giengen an der Brenz, no estado de Baden-Württemberg. Este museu foi aberto ao público em julho de 2005 e conta um pouco da história da centenária empresa e de seus principais produto, em uma área de 2.400m2, dividida em três andares.

A visita ao museu dura em média três horas, onde é possível observar o processo de manufatura dos bichos de pelúcia ao longo dos anos, bem como a casa onde nasceu a fundadora da empresa. O visitante é acompanhado em boa parte da vista por Knopf (urso anfitrião do museu) e sua companheira Frieda, sentados em uma cama nas nuvens.

No museu de modelos históricos, a STEIFF não possui hoje nenhum exemplar de seu primeiro urso, de 55 centímetros de altura, do qual foram vendidas 3 mil unidades, mas mostra uma réplica. Se o original existisse, com certeza valeria uma fortuna atualmente. Só para dar uma ideia, no ano 2000, um exemplar do modelo sucessor, de 1904, foi leiloado por €127 mil.

O museu também possui uma loja, onde oferece uma grande variedade de bichos de pelúcia e as crianças não pagam ingresso. Levar as crianças ao museu Die Welt von Steiff, com certeza é entrar em um mundo maravilhoso rico em história e fantasia!

 

Se você se interessou pela história de Margarethe Steiff, pode assistir ao filme que leva o seu nome. Confira abaixo o trailer:

 

Fabricação de pelúcias no Brasil

A evolução na fabricação de brinquedos de pelúcia no Brasil, acompanhou o ritmo e a qualidade das fábricas americanas. Estes brinquedos passaram a ser feitos no país por volta de 1950 m baixa escala por pequenas fábricas e eram de algodão flanelado com enchimento de palha de madeira.

Por volta de 1956 os ursos passaram a ser fabricados com pele legítima de carneiro, substituindo assim o tecido de aspecto felpudo. Em seguida, foi desenvolvida a pelúcia sintética que veio substituir a pele de carneiro e era chamada de pelúcia sintética de rayon, também conhecida como “Astrakan”.

Este tipo de pelúcia deixava os bichos de pelúcia com um aspecto mais peludo e já era usado em países como Alemanha e Estados Unidos. Em 1967, começou a ser produzida no Brasil a pelúcia acrílica que fazia o produto ficar com um aspecto mais natural. O processo de produção começou a ser automatizada com a aquisição de uma máquina a base de ar comprimido para encher o produto com um material chamado estiropor expandido em forma de bolinhas de isopor ou manta acrílica, que substituiram a palha de madeira.

 

 

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar