Mudando de casa com crianças sem traumas

Como ajudar uma criança de 4 anos a sair da sua zona de conforto, se desapegar de coisas que ela já conhece e que lhe dão segurança para começar uma nova rotina em um lugar diferente? Esse está sendo o nosso desafio atualmente com a Julia, no nosso processo de mudança de apartamento. Se é difícil para um adulto, para as crianças pode ser um problema se despedir de um lugar para ir para outro desconhecido.

Crianças gostam de rotina porque isso faz com que se sintam seguras, sabendo exatamente o que acontecerá em seguida, por isso lidar com o desconhecido pode gerar muita ansiedade. Mudar alguma coisa na rotina pode não ser algo fácil, mas as mudanças fazem parte da vida e devemos ajudar as crianças a lidar bem com isso. Uma mudança de casa, independentemente das circunstâncias, sempre traz muito trabalho e algum transtorno para a família, mesmo que a mudança seja para melhor, como é o nosso caso.

O importante é fazer os preparativos com bastante antecedência e manter a calma, evitando stress. As crianças sentem tudo e absorvem até as preocupações dos pais, sendo muito afetadas  pelo estado de ânimo dos adultos. Em todo o processo da mudança de casa, as crianças os pais precisam transmitir tranquilidade e segurança, para diminuir a ansiedade das crianças.

Optamos pela mudança, principalmente para melhorar a nossa qualidade de vida, vamos morar em um lugar com mais espaço, onde a Julia terá muito mais liberdade para brincar e fazer novas amizades com outras crianças. Mesmo assim, já estamos sentindo um pouco de resistência com relação à mudança, afinal, o atual apartamento é o lugar que ela cresceu e já está ambientada. Por isso nos antecipamos em prepará-la para a nova realidade.

A reação de uma criança diante de uma mudança de casa dependerá muito da idade. Até os 2 ou 3 anos de idade, a criança se adapta bem e relativamente rápido, sem grandes preocupações. Para crianças a partir de 3 anos, é necessário uma atenção maior, com a ajuda de um pouco de fantasia e muita imaginação. Para as crianças tudo se torna mais fácil quando ela pode quando levamos para o lado lúdico. Por isso os preparativos para a mudança podem se transformar em ocasiões divertidas para a criança conseguir elaborar na sua cabecinha todas as mudanças e se adaptar à elas. O tema da mudança pode ser explorado nas brincadeiras e fazer parte de histórias divertidas. Abaixo, organizei uma lista com alguns conselhos de psicólogos par lidar melhor com essa situação:

  1.  Explicar claramente à criança, e de uma forma positiva, o porque da mudança e responder a todas perguntas que a criança fizer.
  2.  A melhor época para uma mudança de casa é no período das férias escolares, ou de algum feriado longo.
  3.  Familiarizar a criança com a nova casa e se possível, com a nova vizinhança. Uma boa dica é mostrar fotografias, mapas e se possível, visitar o imóvel com a criança antes da mudança.
  4.  Falar sobre as vantagens que a família terá ao mudar de casa e concentrar somente nos benefícios. No nosso caso, nós sempre argumentamos que ela terá bastante espaço para brincar e correr, além de ter muitas crianças para fazer novas amizades.
  5.  A criança pode temer perder algum amiguinho, nesse caso é importante fazê-la entender que  ela pode encontrar seus amigos sempre que for possível.
  6. Percebemos que uma das maiores preocupações da Julia é de não esquecer nada, principalmente os brinquedos. Nesse caso, a criança pode participar separando os brinquedos para levar para a nova casa, colocando em caixas. Outra boa dica é pedir à criança para identificar as caixas de brinquedos com o seu nome, mesmo que ela ainda não saiba escrever muito bem e só saia rabiscos. Isso dará à ela a sensação de controle de seus pertences.
  7.  Se a criança demonstrar interesse em participar e colaborar, ela pode ser incluída nos trabalhos da mudança. Mas caso a criança não demonstre interesse ou mesmo se negue à participar, pode ser melhor que fique com algum familiar no dia da mudança, para evitar estressá-la.
  8.  Depois da mudança a criança deve ser estimulada a explorar o local, conversar com os vizinhos e também ajudar na decoração do seu novo quarto e determinar lugares para seus brinquedos.
  9.  Evite que a mudança de casa não coincida com outras mudanças na vida da criança. Por exemplo, com as mudanças do berço para a caminha, com a retirada das fraldas, e muito menos em meio a uma separação de casal. Cada mudança na sua hora.

Espero que tenham gostado das dicas! E você, já passou por uma mudança com crianças? Conta pra gente nos comentários!

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar