Natação infantil – benefícios, riscos e melhor idade para começar

A natação praticada na infância, fortalece os músculos, trabalha a noção espacial ajudando a desenvolver diversas habilidades psicomotoras, além de ajudar na respiração, lubrificando as vias respiratórias.  A natação infantil também contribui para um bom desenvolvimento da criança nos aspectos emocionais e sociais,  aprimorando a sociabilidade e a autoconfiança.

Importância da natação infantil

A natação infantil tem papel fundamental na saúde das crianças, se orientada corretamente e iniciada na fase mais adequada. Confira abaixo alguns benefícios dessa atividade:

  • Previne obesidade e estresse ;
  • Trabalha o sistema cardiovascular e respiratório;
  • Desenvolve habilidades psicomotoras como agilidade e velocidade;
  • Reforça a resistência do organismo;
  • Previne e recuperação problemas ortopédicos.

Mas para atingir estes resultados, é importante que a natação seja trabalhada como uma atividade lúdica, que traga prazer à criança e nunca com o objetivo de incentivar a competição ou formar um futuro atleta. É por meio da brincadeira que as crianças são estimuladas e o mais importante é que sintam prazer e construam uma relação de afetividade, segurança e confiança com o professor.

Fases da natação infantil

Dependendo da idade da criança, são trabalhados aspectos diferentes nessa atividade, por isso a natação infantil é dividida em fases.

Primeira fase

A primeira vai de seis meses a dois anos de idade. Nessa fase é trabalhado basicamente o processo de adaptação ao meio líquido, ou seja, ela apenas aprende a se mexer na água e a brincar. Deve ser orientada para que a criança experimente e vivencie a água, com o objetivo de domínar os próprios movimentos corporais e aprender a respirar dentro d’água.

Segunda fase

A segunda fase envolve crianças entre três e quatro anos de idade, é conhecida como a etapa da propulsão. É neste momento que ela aprende a se deslocar de um ponto a outro.

Terceira fase

A fase seguinte da natação infantil envolve crianças na idade entre cinco e seis anos. Nessa fase as crianças começam a trabalhar os estilos de nado, movimentação de braço e respiração lateral.

Quarta fase

A quarta fase vai de sete a 12 anos, quando é feito o aperfeiçoamento dos estilos, como crawl e costa.

Qual a idade certa para iniciar?

Apesar de todos os benefícios, essa atividade deve ser introduzida na rotina da criança com cautela e com a recomendação do pediatra. A natação para bebês é muito divulgada  e indicada, porém, o tema é muito controverso. Alguns profissionais afirmam que quanto mais cedo uma criança começar a aprender a nadar melhor, mas algumas questões importantes são esquecidas.

Segundo uma matéria publicada no blog da Sociedade Brasileira de Pediatria, pelo Departamento Científico de Segurança da Criança e do Adolescente da SBP,  o afogamento está entre as principais causas de óbitos externos de crianças menores de 4 anos no Brasil.

Sempre é importante lembrar que crianças menores que 4 anos de idade devem ser afastadas de qualquer reservatório de líquidos  como baldes, vaso sanitário, tanques, piscinas e nunca deverão permanecer sozinhas na banheira nem por um segundo.

A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que o esporte seja iniciado a partir dos seis meses de vida, pois, nesta idade, o bebê também já estará imunizado contra algumas doenças e o ouvido já está desenvolvido o suficiente para dificultar a entrada da água, reduzindo as chances de infecção.

Mas para a Academia Americana de Pediatria (AAP) a idade recomendada para iniciar a prática de aulas de natação é 1 ano de idade. Porém, segundo a AAP,  o afogamento deve ser considerado um risco, mesmo que a criança saiba nadar. As aulas de natação devem ser ministradas com todas as medidas de segurança, com supervisão constante e capacitada.

Além disso, as aulas de natação iniciadas precocemente podem trazer riscos como hipotermia, doenças infectocontagiosas, problemas pulmonares, alergias e otites. Ainda não há nenhum estudo científico reconhecido que demonstrou claramente a segurança e a eficácia da prática de natação para bebês abaixo de um ano de idade.

 Opinião do pediatra

O Dr. Moisés Chencinski é editor do blog Pediatra Orienta da Sociedade de Pediatria de São Paulo. Ele é um um profissional que eu admiro e confio, muito acessível e solícito, por isso, antes de tomar a decisão de matricular a Julia na escola de natação, eu considerei a opinião dele e a da pediatra que acompanha a Julia.

Segundo o Dr. Moisés ,  “a questão está nos riscos envolvidos e nas consequências imediatas e tardias possíveis à saúde desse bebê”. Ele escreveu um extenso artigo considerando os prós e os contras sobre natação para bebês.

É importante  que se conheça os riscos que essa atividade pode trazer para a criança para que esta não se transforme em um problema. Além disso, qualquer atividade tem uma fase de adaptação que deve ser conduzida com cuidado e paciência, respeitando o tempo da criança. Abaixo, está o resumo da opinião do Dr, Moisés sobre a prática da natação por bebês e crianças pequenas:

• Como regra geral, pelas questões de desenvolvimento neurofisiológico, avaliação de benefícios e riscos à saúde, eu prefiro indicar a prática de natação acima de um ano de idade, sempre com os pais ou algum cuidador junto, toda vez que a criança se aproximar de uma piscina, ou rio, ou mar, até os 4 anos de idade;

• Cada caso é um caso e precisa ser avaliado individualmente. Pode haver situações em que mesmo depois de um ano de idade, essa prática não seja recomendável e seja preferível aguardar um pouco mais para iniciar o contato com a piscina;

• É importante entender qual a intenção de se colocar uma criança em uma aula de natação. Socialização, atividade física, melhora do sono, por exemplo, podem ser conseguidas, de uma forma semelhante, em “atividades físicas” ou brincadeiras informais (brincar no parque, andar de bicicleta, jogar bola, correr, pular, etc.), nas quais o vínculo e a proximidade dos pais fazem toda a diferença (independente se dentro ou fora da piscina).

• Para a prática da natação, os pais devem buscar escolas sérias, com professores gabaritados, formados e informados, que possam justificar seus métodos, sem promessas de formar campeões olímpicos desde os 2 ou 3 anos de idade (embora isso possa até acontecer naturalmente).

Consequências negativas

A natação, quando iniciada muito cedo, pode também trazer consequências negativas à saúde da criança. Alguns problemas de saúde que podem ser ocasionados pela prática inadequada de natação por bebês são otites, problemas ostopédicos e alergias.

Lordose e natação

Um  estudo publicado no The Journal of Pediatrics, apontou que a prática competitiva de natação aumenta o risco de assimetrias de tronco e de hipercifose e hiperlordose de forma significativa e duplicavam as queixas de dores lombares. Isso indica a importância de não sobrecarregar as crianças com horas prolongadas de treinos com o objetivo de competir.

Otites e natação

Pela característica anatômica das crianças, as tubas auditivas (canais que ligam a parte do fundo do nariz com a orelha interna) são mais horizontalizadas na criança do que no adulto. De acordo com  os especialistas (otorrinolaringologistas), uma infecção localizada no nariz tem muito mais facilidade de atingir a orelha média em uma criança.

Durante a prática de natação, a umidade que entra e fica na orelha externa, pode provocar a inflamação. Os protetores auriculares não vedam completamente a entrada da orelha, por isso não oferecem proteção total. Após sair da piscina é importante secar a orelha apertando levemente com a toalha para tirar o excesso de umidade.

Questões respiratórias

A natação é muito recomendada para pacientes com problemas respiratórios, mas muitas vezes acaba trazendo mais problemas do que soluções. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, a natação pode beneficiar pacientes com alergia respiratória

“quando praticada em ambiente quente e úmido e em piscinas que utilizam métodos como a ozonização ou a radiação ultravioleta para a desinfecção da água. Em piscinas tratadas com cloro, os gases cloraminas (substâncias tóxicas resultantes da reação do cloro com impurezas da água) irritam a mucosa das vias aéreas, causando crises de tosse e chiado, principalmente nas crianças mais sensíveis e nos lactentes”.

A piscina ozonizada é a mais indicada para alérgicos por ser considerado o mais eficaz e seguro método de tratamento de água, pois combate bactérias, algas, fungos e vírus. O cloro, irrita as mucosas respiratória e os olhos, podendo ocasionar asma e rinite, chegando a triplicar as chances de doenças respiratórias em crianças alérgicas.

Para pacientes asmáticos, a natação ajuda a fortalecer a musculatura acessória (tórax e abdome) , porém, a prática deve ser bem acompanhada por um profissional que ajude a criança a aprender a nadar e a respirar de forma adequada.

Alergias de pele

A pele também pode ser afetada pelo cloro das piscinas, ressecando-as e agravando quadros de dermatite atópica. Assim, é fundamental que antes de se iniciar a prática da natação, a criança passe em uma avaliação com seu pediatra. Somente o profissional de saúde que acompanha a criança pode analisar o momento adequado e o esporte mais apropriado para cada caso, de acordo com suas capacidades e limitações físicas e emocionais dessa criança.

A nossa experiência

Eu comecei a nadar quando tinha 10 anos de idade, por causa de um desvio na coluna, por isso eu queria que a Julia iniciasse a natação mais cedo. Mas depois de pesquisar bastante, percebi que seria mais sensato esperar um pouco mais, quando ela já estivesse mais resistente aos riscos.

A Julia começou a fazer natação na escola, com 3 anos de idade, uma vez por semana. Durante esse período, ela pôde se adaptar e adquirir segurança. Após alguns meses, matriculamos no clube, para iniciar as aulas de natação propriamente ditas. A adaptação foi super tranquila, sem nenhum problema de saúde.

A maioria dos professores de natação incentiva os pais a iniciarem seus filhos o quanto antes, mas nós comprovamos na prática que não se perde muito em começar a natação mais tarde. Muitas crianças da mesma turma da natação da Julia, tiveram contato com as aulas desde 6 meses de idade. Conversando com os responsáveis por esses crianças, descobri que maioria delas já teve otite ou outro problema decorrente do contato precoce com a piscina. A maioria dos adultos fala como se fosse normal o bebê ter otite ou alergias quando pratica natação, mas os pediatras não pensam assim e é a opinião deles que eu considero mais importante.

Vendo as crianças na piscina, observei algo muito interessante, que contradiz o que muitos professores de natação pregam. Já ouvi falar que crianças que iniciam a natação ainda bebês já serão excelentes nadadoras por volta de 3 ou 4 anos de idade, o que pode acontecer. Eu mesma já vi uma criança de 4 anos atravessar a piscina semi-olímpica nadando craw perfeitamente, mas isso não pode ser considerado uma regra. As crianças da mesma turma de natação da Julia que iniciaram a atividade ainda bebês, não mostram nenhuma habilidade extraordinária na piscina, para a sua idade.

A Julia é a mais nova da turma de natação, onde a maioria das crianças já tem 5 anos ou mais. Mesmo assim, pouco tempo depois de começar a frequentar as aulas, ela já demonstra muita segurança e desenvoltura nos movimentos e deslocamento dentro da água e já está alcançando o mesmo nível das outras crianças da turma. Isso mostra que se incentivada e bem orientada, qualquer criança pode ter um bom desempenho na água, independente de ter começado aos seis meses de idade ou não. O mais importante é respeitar o tempo de cada criança e não colocar o aprendizado como uma obrigação.

Um dos aspectos que eu considero mais importante é que o maior objetivo de matricular uma criança em aulas de natação não é torná-la uma atleta precoce e sim, proporcionar uma experiência divertida e que contribua para o desenvolvimento saudável. Por isso eu faço questão de acompanhar as aulas da Julia, incentivando cada conquista dela, mas sempre orientando no sentido de que o mais importante é que ela se sinta bem, segura e encare tudo como uma brincadeira divertida.

No vídeo abaixo do nosso Canal do Youtube, você vai acompanhar uma aula de natação no clube, onde ela se diverte, aprende e faz novos amiguinhos.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar
wpDiscuz