Guarda-roupa de mãe – dicas para looks confortáveis e elegantes

O nosso guarda-roupa não sofre alterações só no período da gestação. Depois que o bebê nasce também sentimos necessidade de adotar algumas mudanças, que fazem toda a diferença na nova rotina como mãe. A seguir eu dou algumas dicas práticas que vão ajudar você a fazer os ajustes necessários para se vestir com conforto, praticidade e elegância depois da maternidade.

Respeite seu estilo

Depois de ter um filho, o nosso guarda-roupa sofre mudanças, mas não significa de forma alguma que você precisa abandonar o seu estilo pessoal. A maternidade é uma experiência muito transformadora, que mexe muito com as nossas emoções. Por isso, quando uma mulher se torna mãe, é muito importante que ela se sinta bem e bonita para ter segurança nessa nova jornada de sua vida. Respeitar o nosso estilo e continuar usando peças que têm a ver com a nossa personalidade, até ajuda a cultivar a auto-estima.

A escolha dos tecidos

Durante a gravidez e nos primeiros meses do bebê, os tecidos mais recomendados são os de fibras naturais, como algodão, linho, seda, etc. Não é só a pele do bebê que é delicada. Na gravidez, a pele da mulher fica muito sensível a irritações e alergias. Para compor um visual mais elegante sem perder o conforto, existem opções de tecidos com fibras naturais ou mistas que são sofisticados e maleáveis.

  • Uma boa pedida para camisas é a tricoline de algodão com elastano. Apenas 3% de elastano é o suficiente para dar elasticidade ao tecido, trazendo conforto e se ajustando às novas formas no corpo.
  • Blusas e camisetas de malha de algodão são essenciais no guarda-roupa de uma mãe. Além de práticas, elas são descontraídas e versáteis na hora de compor looks rápidos, já que o tempo fica reduzido.
  • Tecidos como a seda são indicados para ocasiões mais formais e são muito confortáveis.
  • Cambraia de algodão é um tecido finíssimo e muito gostoso de usar, principalmente no verão e pode ser usado para batinhas, blusas mais soltas e vestidinhos.
  • Prefira tecidos que sejam difíceis de amassar.
  • Se for optar por usar shorts e calças, escolha os tecidos jeans ou sarja com um pouco de elastano, que amassam menos e são mais confortáveis.
  • Para o inverno, as blusas de lã e tricô são ótimas para aquecer com elegância. Mas tenha um pouco mais de cautela com esses tecidos depois que o bebê nascer. Como os bebês passam muito tempo no colo da mãe, esses tecidos podem soltar pêlo, causando alergias respiratórias.

 

A escolha da modelagem

As modelagens mais indicadas para as grávidas são as retas, evasê e godês. Mas isso não significa que você deva usar sempre roupas amplas, afinal, volume demais podem até atrapalhar. Misture modelagens ajustadas com cortes amplos, para equilibrar a silhueta.

Por exemplo, se usar uma batinha solta, complete o look com uma calça ou short mais justinho. Lembre-se que as peças mais justas devem ser sempre de malha e se for de tecido plano, de preferência, deve ter um pouco de elastano.

Se uma peça ficar apertada a ponto de marcar a pele, não use, pois além de prender a sua circulação, pode propiciar o surgimento de estrias na pele.

 

A escolha das peças

Mães de bebês se movimentam bastante para acompanhar o ritmo da criança. Por isso, além de tecidos práticos, as peças também devem ser mais básicas. Modelos muito complicados com muitos detalhes, além de difíceis de passar, podem atrapalhar bastante. Prefira modelos mais básicos, com um bom corte.

Use sempre a numeração correta das roupas. Comprar roupas muito folgadas pode parecer a melhor solução quando se está com uns quilinhos a mais, porém, pode deixar o seu visual desleixado. A numeração certa garante o melhor caimento da peça e maior conforto também.

Os cabelos

Cabelos soltos passam a ser uma exceção quando nos tornamos mães, afinal, prender o cabelo é muito mais prático quando se tem pouco tempo. Mas não precisamos perder a elegância por isso. Dedique um tempinho a mais aos cabelos e faça um bom penteado, que pode ser simples, mas ter um toque de moda. Boas pedidas são faixas tipo bandana, tranças, coques ou um rabo de cavalo. Um penteado simples mas bem feito, pode fazer toda a diferença no seu visual.

Minha experiência

Depois que a Julia nasceu, a prioridade na hora de escolher o que vestir sempre foi a praticidade para amamentar. Com exceção dos sutiãs, eu  não comprei nenhuma peça especialmente para amamentar. Optei por camisas de botão na frente ou blusas mais largas que pudessem ser levantadas com facilidade.

Para mim, a melhor opção sempre foi montar looks de duas peças (blusa e calça, blusa e saia, blusa e short). Esse tipo de look torna o processo de amamentar mais prático e confortável. Além disso, as peças separadas dão mais possibilidades de combinações.

Quanto aos sapatos, a minha preferência é por modelos sem salto, pra facilitar carregar a Julia no colo. Rasteiras e sapatilhas são a minha preferência.

Sempre tomei um cuidado especial com os tecidos e costuras das roupas, para evitar possíveis irritações e alergias na pele da Julia. Gosto de usar tecidos de algodão e outras fibras macias ao toque. Também passei a evitar roupas com detalhes e texturas como pedrarias, lantejoulas, entre outros. Além de poder arranhar a pele, esse tipo de detalhe pode chamar atenção da criança, que vai querer puxar e levar à boca.

 

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar
wpDiscuz