Como sobreviver aos primeiros meses de amamentação

Quando a Julia nasceu eu estava ansiosa para amamentar e logo que fomos para o quarto pedi que viesse uma enfermeira para me ajudar. Mais ou menos meia hora depois de nascer ela pegou o peito e mamou durante quase uma hora. Os bebês já nascem com os reflexos de sucção e o contato com o corpo da mãe estimula-o a mamar. Eu lembro que eu ficava na dúvida se o que ela estava mamando o colostro ou simplesmente estava só sugando por instinto. No começo não dá pra saber direito se você já tem leite. Mas isso não importa muito, porque mesmo que o leite ainda não tenha descido, é a sucção do bebê que vai estimular para que isso aconteça. Então, o conselho que eu dou é relaxar e deixar o bebê mamar o tempo que ele desejar, até que o leite desça.

Os primeiros 40 dias será o período de puerpério (resguardo) e você só sairá para consultas de retorno, vacinas, etc. É muito importante se preparar psicologicamente para esse período.Tenha em mente que a sua nova rotina vai ser determinada pelo bebê. Não tem jeito, a sua vida vai mudar e não adianta lamentar. Para quem tem uma vida ativa isso pode parecer um pouco entediante. Não sair com suas amigas, não sair para trabalhar todos os dias, não pegar aquela praia no final de semana. Mas se você está determinada ter sucesso na amamentção, eu garanto que todo esse sacrifício vale muito a pena. É um período tão intenso e passa tão rápido que depois dá saudade.

O chamado “impacto da maternidade” vem logo no início, quando você percebe que não consegue mais tomar banhos demorados, as suas refeições são corridas, o seu tempo passa a ser super limitado e quem põe esse limite é o bebê. Para amenizar esse sentimento de que você não tem mais controle da sua vida, defina as suas novas prioridades, que de agora em diante serão:

  • Se alimentar bem nos horários certos;
  • Dormir sempre que o seu bebê estiver dormindo;
  • Amamentar em livre demanda (sempre que o bebê chorar com fome);
  • Relaxar sempre que possível. Eu gostava de fazer uma hidromassagem nos pés com água morna.

Uma dor suportável

Nos primeiros dias em casa é tudo novidade, a gente vai se adaptando e aos poucos definindo a nova rotina. Na gravidez eu já tinha feito uma oficina de amamentação e lido bastante sobre o assunto, mas a prática é bem diferente e os desafios começam a aparecer. O início pode ser um pouco sofrido, o prazer de amamentar, sem incômodos, só começa após alguns dias, depois de superar as primeiras dificuldades. Desde o início, eu prestava bastante atenção se a Julia estava com pega correta do seio. Eu puxava delicadamente o queixinho dela para baixo e ela, por reflexo, já abria a boca, o que facilitava muito colocar a aréola toda para ela mamar. Mesmo assim, como era a primeira vez que eu amamentava,  eu tive uma leve fissura e os mamilos ficaram um pouco doloridos por uns dias. Conversei com a neonatologista que acompanhava a Julia e ela me tranquilizou e disse que era normal. Segundo ela, eu tinha que esperar “calejar”, ou seja, depois de a criança mamar por um tempo, os mamilos acabam se adaptando à sua nova função. Além de prestar muita atenção na pega correta, eu não deixei de amamentar e segui as recomendações para cicatrizar a fissura, que para mim foram valiosas:

  • Deixar os mamilos arejados alguns minutos após as mamadas;
  • Passar o próprio leite materno para higienizar;
  • Não usar sabonete na região para não ressecar a pela;
  • Levar 15 minutos de sol da manhã todos os dias.
  • Beber muita água.

Ingurgitamento

Não espere se sentir “normal” nas primeiras semanas de amamentação. Afinal, é muita coisa acontecendo ao mesmo tempo, o corpo está sob o efeito de muitos hormônios e o leite está sendo produzido, tudo isso depois de um parto. Um incômodo muito comum nesse período  e que eu também tive foi o ingurgitamento, quando os seios ficam muito cheios de leite (leite empedrado). Os seios ficam bem rígidos com umas regiões bem duras, sensíveis e podem latejar um pouco. Pode ter também uma elevação da temperatura do corpo, mas tudo isso é normal. Para resolver isso é só colocar o bebê para mamar o quanto ele quiser, o que justifica a amamentação em livre demanda! Se você ficar cronometrando as mamadas, seus seios nunca vão esvaziar, o que pode causar incômodo constante. Não se preocupe, não tem como o bebê mamar demais, deixe-o à vontade. A Julia chegava a mamar por 40 minutos e só assim eu sentia alívio, porque ela esvaziava todo o leite. Desde o início ela acordava para mamar mais ou menos nos mesmos horários tanto durante o dia quanto à noite. A cada mamada eu revezava o seio para não acumular leite.

Existem vários conselhos para aliviar o ingurgitamento. Cada mulher acaba encontrando as suas próprias técnicas a medida em que adquire prática na amamentação. Eu adotei alguns truques que para mim deram certo:

  • Dar de mamar com frequência, a cada duas ou três horas, nos dois seios a cada mamada.
  • Massagear o seio com as pontas dos dedos fazendo movimentos suaves e circulares, antes e durante as mamadas. Assim, o fluxo do leite é estimulado, aliviando um pouco a dor e o desconforto.
  • Compressas mornas feitas com uma fraldinha de pano, seguida de uma massagem bem suave antes de cada mamada. Basta passar o ferro quente na fraldinha e colocá-la no local. Mas tenha cuidado com a temperatura, a fralda deve ficar morna, não quente!

Para mim os primeiros 15 dias de amamenação foram os mais difíceis. Não desistir nesse período é muito importante, porque depois começa a ficar automático, e tudo fica mais fácil. Com o passar do tempo vai ficando cada vez mais fácil e se a amamentação for regular e frequente, não tem perigo de o leite secar. A sensação de amamentar é ótima e nenhuma mulher deveria abrir mão disso por causa das dificuldades do começo. Pense positivo! Esses incômodos passam rápido, e logo o processo da amamentação será menos doloroso e mais prazeroso. Eu consegui passar por todas essas dificuldades e tive sucesso na amamentação exclusiva da Julia até os 6 meses. Depois de introduzir outros alimentos ela continuou mamando e mama até hoje. A minha recompensa é ver minha filha crescer saudável!

 

FIQUE ATENTA: Se você sentir muita dor ou desconforto, procure orientação de um profissional de saúde.

LEIA MAIS:

Portal voltado para o aleitamento materno: http://www.aleitamento.com/

Leia mais sobre ingurgitamento aqui: http://brasil.babycenter.com/a1600051/seios-ingurgitados-cheios-demais

Amamentação para iniciantes:  http://brasil.babycenter.com/a1500007/amamenta%C3%A7%C3%A3o-para-iniciantes

 

 

 

Deixe um comentário

1 Comentário em "Como sobreviver aos primeiros meses de amamentação"

Notify of
avatar
Sort by:   newest | oldest | most voted
Anna Jéssyca
Visitante

Parabéns, Tânia! Obrigada por compartilhar sua experiência,

wpDiscuz